Livros

Toca o Barco: Histórias de Ricardo Boechat contadas por quem conviveu e trabalhou

Um dos mais brilhantes jornalistas do país em todos os tempos, Ricardo Boechat construiu uma legião de admiradores ao longo de 50 anos de atuação na TV, em jornais e, principalmente, no rádio. Sua morte prematura encerrou uma carreira pautada por indignação, credibilidade e paixão, em que não fazia distinção entre ricos e humildes, poderosos e anônimos.

 “Toca o barco” traz histórias e bastidores de 32 colegas que trabalharam, conviveram, sofreram e se divertiram com Boechat. O livro reúne textos inéditos de José Simão, Ancelmo Gois, Datena, Leilane Neubarth, Fernando Mitre, Tatiana Vasconcellos, Joaquim Ferreira dos Santos, Milton Neves, Angela de Rego Monteiro, Luiz Megale, Aluizio Maranhão, Chico Caruso, Rodolfo Schneider, entre outros grandes nomes da imprensa. “Toca o barco” inclui ainda um perfil de Boechat com sua trajetória desde o primeiro emprego no “Diário de Notícias”, em 1969, até a Band.


Eu sou Ricardo Boechat 

Ricardo Boechat lamentava ter descoberto o rádio tão tarde. Começou no jornalismo impresso em 1971 e estreou na TV em 1996. O rádio só entrou na vida dele em 2006 e virou rapidamente sua grande paixão. Em 13 anos à frente do microfone da BandNews FM, Boechat se tornou um dos mais ácidos, eloquentes, bem-humorados e populares apresentadores do país. Valorizava como poucos a interação com o ouvinte, a ponto de dizer no ar o número particular de seu telefone celular. Dois de seus mais próximos colegas, Eduardo Barão e Pablo Fernandez, trazem agora cem histórias que mostram o ser humano dedicado e o profissional exigente que ele foi com um só propósito: manter vivo o legado desse gigante do jornalismo.


No rastro da notícia: Os bastidores das reportagens de um dos maiores jornalistas investigativos do Brasil 

Neste livro, Roberto Cabrini como conta conseguiu fazer várias reportagens, dá o passo-a-passo de cada investigação, entre elas achar o P. C. Farias (na época, escondido em Londres) e descobrir o que deu errado no voo 254. “‘E assim descobri PC Farias’, é uma das dez histórias preciosas reunidas neste livro pelo nosso campeão de reportagens exclusivas. Em No rastro da notícia, Cabrini nos leva a viver duas emoções em uma só narrativa. Apresenta um elenco de personagens encantadores e, talvez de forma involuntária, oferece o melhor caminho para se e conhecer a alma complexa de Roberto Cabrini, o repórter mais popular do país.” – CACO BARCELLOS “Neste livro Roberto Cabrini nos narra, como se estivesse apresentando o lado B de suas matérias mais conhecidas, como desenvolve o passo a passo de cada processo investigativo e como supera a ansiedade para aguardar a hora certa de levar o ‘furo’ ao ar! Além de verdadeiro manual para jovens jornalistas, a leitura é também um instigante romance da vida real narrado por uma testemunha privilegiada deste período da história brasileira.” – ANA PAULA PADRÃO


JORNALISMO: Compreensão e Reinvenção

Hoje, quem procura explicações, detalhes e perspectivas de uma notícia sente-se frustrado, pois não consegue ampliar seus horizontes e obter novas informações capazes de abranger as circunstâncias (como), as motivações (por que) e o ambiente (onde) do fato. Jornalismo: compreensão e reinvenção não responde diretamente a essa aspiração dos usuários dos produtos jornalísticos, mas analisa os problemas geradores, identificando soluções plausíveis para a questão. O foco de observação crítica do autor privilegia três dimensões: a práxis, a formação e a cognição. Trata-se dos três espaços capazes de nutrir a necessária reinvenção do nosso jornalismo, cuja vitalidade se mantém constante, apesar das crises cíclicas e dos descompassos estruturais. O motor da reinvenção é a própria categoria profissional: daí a urgência de melhorar a formação dos jovens jornalistas que se dirigem ao mercado de trabalho e de manter os pesquisadores da área na retaguarda, já que estes são os responsáveis pelos estudos mais rigorosos sobre o exercício profissional. O propósito deste livro é o de estabelecer uma ponte entre o campo teórico e o mundo empírico, no qual já atuam ou vão atuar os leitores, estudantes e profissionais do jornalismo. Estes são os verdadeiros artífices da reinvenção necessária ao jornalismo brasileiro em tempos tão atribulados, mas ao mesmo tempo tão interessantes para a prática da profissão.


Jornalismo Organizacional: Produção e Recepção

Este livro apresenta uma visão crítica do jornalismo produzido nas organizações. De forma objetiva, a autora examina minuciosamente o ambiente organizacional e os desafios que este impõe ao fazer jornalístico. Além disso, analisa veículos produzidos para os funcionários e investiga como se dá a recepção das informações. Obra fundamental para jornalistas, profissionais ligados à gestão de pessoas e estudantes. Editora Summus Editorial, em português, por Marlene Branca Sólio.